ÁFRICA DO SUL – OS BIG FIVE

Sabe aquele lugar bom, bonito e barato, então, chama África do Sul. Eu aprendi na faculdade que você deve escolher entre “bom” ou “barato” (e realmente a maioria das coisas/situações, é um ou outro), mas a África do Sul está aí para provar que nem tudo o que a gente aprende em uma sala de aula está correto.

 

O roteiro que a gente mais vende na Ares começa por Johannesburgo, a cidade que vale uma visita, mas requer poucos dias na minha opinião. Normalmente a gente sugere uma ida ao Lion Park para garantir que o cliente verá todos os animais que ele mais espera encontrar. E sim, só assim a gente consegue garantir… Vale lembrar que o Kruger Park é uma reserva natural, o animal pode ou não aparecer, não é o National Geographic (até porque os fotógrafos ficam dias com a câmera posicionada para conseguir aquela imagem com a qual você está sonhando).

 

E pelo amor de Deus, não deixe de ir no Moyo Restaurant, ele fica em Melrose Arch. Sabe aqueles que você come muiiiito bem, é bem atendida e ainda sorri na hora de pagar a conta?! É desses! Indico sem medo nenhum…

 

O safári regular do nosso roteiro na África do Sul começa logo no terceiro dia, o segundo dia é o caminho entre Johannesburgo e Mpumalanga (onde você vai fazer o safári do famoso Kruger Park), dá uns 490km mas tem duas paradinhas espetaculares para observar dois lugares que podem servir de cartões postais, o Blyde River Canyon e o God’s Window, essas duas paradas tornam a viagem mais curta e bem agradável.

 

O safári começa bem cedinho (cedinho mesmo), e você passa o dia inteiro no meio do mato num 4×4 e se você tiver sorte vai poder ver todos os Big Five! Confesso que eu fui a única na agência a não ver um felino (mas tudo bem, agora vou ter que voltar lá pra ver né?! kkkk) Os Big Five são: búfalo, elefante, leão, leopardo e rinoceronte, pois dizem ser os mais difíceis de se caçar.

 

É bem interessante como eles respeitam a natureza, se há uma queimada, deixa queimar, pois é ordem da natureza, assim teremos uma mata mais baixa… Mas se ela está alta, okayyy, não podemos fazer nada, ordem da natureza novamente! Você que está no território deles, no território selvagem, então não mexe com eles (até eu não vi meu ranger – o nome que eles usam para chamar o motorista do seu 4×4 – armado).

 

No meio do safári tem uma parada para o almoço, e nessa parada tem a lojinha de souvenirs mais legal! Talvez seja um pouco mais cara por estar bem no meio de um ponto turístico, mas eu gostei da qualidade e da beleza de todo o material, acho que vale a pena! Em relação a como se vestir para o safári, eu diria que tênis e calça é essencial, uma blusa ou camiseta, e pode levar um casaquinho também, pois de manhã cedinho e no final da tarde pode dar uma esfriada!

 

Para não tornar a leitura cansativa, depois eu conto sobre a Cidade do Cabo (uma das minhas preferidas)! Até mais!!!

Sem comentários

Enviar um comentário